“É difícil colocar em palavras o que explode dentro de mim”

(Foto: Abdulmonam Eassa)

Em uma viagem pela vida, uma escolha que mudou tudo. A enfermeira largou tudo no Brasil para se entregar às missões humanitárias pelo mundo

32 anos, brasileira, enfermeira, portadora do diabetes tipo 1 e espiritualista. Essa é a Joyce Leite, personagem de uma história que vale a pena você ler. Desde 2014 envolvida em ações humanitárias pelo mundo, ajudando pessoas através da profissão que escolheu ainda no Brasil, a enfermagem, Joyce acredita que necessidades existam em todos os lugares, mas neste trabalho vivenciando contextos e culturas diferentes a fizeram sentir que tinha algo maior a fazer já que a necessidade estava ali, presente diante de seus olhos. A decisão parecia simples: agir. Para ela sua missão se resume assim: “envolve o amor…o amor pelo outro, amor pelo meu trabalho, amor por compartilhar e aprender com as pessoas diante de suas realidades tão diferentes”.

Joyce Leite em uma de suas missões humanitárias pelo mundo

Amor…

Foi esse o sentimento que a levou para a Etiópia, Sudão do Sul, Turquia, Índia, Iêmen, Nigéria e Iraque, e a fez vivenciar histórias de pessoas que deixaram tudo para trás, que fugiram correndo por quilômetros, cruzando terras, rios e vendo os seus entes mais queridos serem mortos pelo caminho e, o mais doloroso, ter que deixá-los porque nesse cenário não há “TEMPO”! “TEMPO”… eis aí uma dádiva e essas vivências talvez nos coloquem no caminho da reflexão, tão necessária para reaprendermos a viver, a olhar para os que estão ao nosso lado e até mesmo para aqueles em quem nem mesmo reparamos. Importante para pararmos e olharmos para nós mesmos e vermos o que estamos fazendo com o nosso tão precioso “TEMPO”.

A vida ou a morte?

Essa talvez seja uma das perguntas mais recorrentes no íntimo de cada ser humano, especialmente em situações extremas como em situações de guerra, fome e tantas outras, mas para Joyce a vida foi a escolha feita, em todos os sentidos. Ela conta que mesmo diante de tanta destruição nunca pensou em morrer. “Acredito que quando estou a trabalho não penso muito na morte ou em riscos, mas sim naquilo que estou ali para fazer. Eu foco nisso e sigo em frente. Nunca me arrependi nem por um segundo da escolha que fiz. Pelo contrário, acho que encontrei meu caminho”…

O que vi pelo Mundo…

“Vivenciei histórias de muitas pessoas que viveram por tanto tempo sob bombardeios, barulhos estrondosos, aviões militares e sob o medo de não saber se estarão vivos amanhã. Vi muita gente buscar pelos seus entes queridos entre entulhos de suas casas bombardeadas. Esquecer de tudo e fugir… e foi tudo que vi e vivi até aqui e que me fazem enxergar que é impossível ser a mesma pessoa que já foi um dia. Hoje, sou mais aberta as coisas do mundo, com um entendimento e respeito bem maior às diferenças. Aberta para outras culturas, religiões, formas de entender a vida e compreender e aceitar a morte. Mudaram meus valores e minhas prioridades na vida”, conta.

A Joyce de hoje que se considera muito mais feliz e realizada do que a de antes, traz no olhar o desejo que consegue expressar em palavras, aquele de que se as pessoas soubessem que há muito mais além das notícias exibidas nos jornais ou nos filmes hollywoodianos e que fazem com que nós, do outro lado da tela, tenhamos julgamentos muitas vezes errados, sem ao menos nos colocarmos no lugar do outro e tentarmos entender a dura realidade.

Dessa história e nessa primeira panelada de sentimentos e palavras que hoje compartilho, fico por aqui com as palavras da nossa personagem real, porque “Não importa aonde estamos, ou que problema vivenciamos, ou até mesmo que tipo de trabalho exercemos para que aprendamos a valorizar mais o SER diante do TER, a exercitar o escutar ao outro, mais do que falar e querer competir por dificuldades. Não importa sua raça, crença, língua ou cultura…todos somos humanos e passamos por dores. Além disso, todos nós temos a necessidade de atenção, de sermos ouvidos e de sermos amados. Por isso, dê mais valor as pessoas à sua volta, a você, ao tempo e acima de tudo à VIDA e ao AMOR.

*Joyce Leite encontra-se hoje em um raro momento de descanso junto da família no Brasil, após sua volta recente de uma missão no Iraque e está a espera da sua próxima missão junto ao grupo do qual ela trabalha.  

(Foto: Abdulmonam Eassa)

Bruna Carvalho
(Redatora, Editora e Repórter do Feijoada Completa)

2 comentários sobre ““É difícil colocar em palavras o que explode dentro de mim””

Deixe uma resposta